Primeira Infância

É assim que nas pesquisas se denomina os primeiros anos de vida de um ser humano!

Período este marcado por muuuitos processos e desenvolvimento.

Podemos dizer que é a fase determinante tanto para a capacidade cognitiva quanto para a sociabilidade do sujeito, visto que o cérebro absorve todas as informações, (o HD está limpinho rs) as respostas são rápidas e duradouras. Segundo especialistas, as crianças nesta fase precisam de oportunidades e estímulos, para que possam desenvolver cada uma de suas aptidões.

É durante a primeira infância que o cérebro humano desenvolve a maioria das ligações entre os neurônios.

Mais ou menos assim: Até os 3 anos de idade, as cerca de 100 bilhões de células cerebrais com as quais uma criança nasce, desenvolvem 1 quatrilhão de ligações. O número é o dobro de conexões que um adulto possui!!! Lembramos aqui porque essa fase dos 2 aos 3 anos é tão conhecida como “terrible” – na verdade, é desenvolvimento puro!

Aos 4 anos, estima-se que a criança tenha atingido metade do seu potencial intelectual. Haja espaço, interação e acolhimento para tanto aprendizado e desenvolvimento!

Hoje, nós temos mais acesso a esses estudos e sabemos que essa ebulição toda na criança é crescimento e desenvolvimento, mas provavelmente na nossa época de criança (e nao preciso revelar minha idade, mas ha uns 20 anos atrás rsrs) ainda nao tinhamos essas conclusões e então éramos considerados tão bagunceiros, terriveis, inquietos e a forma que nossos pais encontravam de nos calar e sossegar era o castigo, as ameaças, as palmadas e afins. Ainda encontramos quem diga que aprendeu assim e não morreu.

Ok, entendi, de fato eu também não morri, mas não preciso reproduzir e acredito que podemos melhorar e usufruir dos estudos e pesquisas que nos dão ferramentas novas para lidar com as descobertas e desdobramentos dos comportamentos nossos e de nossos filhos.

Descobrimos muito com eles, revivemos muito de nossa infância através deles. E assim, podemos fazer diferente. Se sabemos que com amor é mais facil aprender e modificar comportamento, porque precisamos repetir pela dor?

Podemos recordar, nossa infância, lembrar do que era bom, do que nos dava prazer, o que faziamos quando nossos pais nos chamavam atenção e agora, como pais, podemos escolher, repetir o que foi feito conosco, ou elaborar e tentar fazer melhor. Mais respeitoso, mais acolhedor, mais amoroso, na busca para a formação de pessoas mais conscientes de suas capacidades e limites; Podemos “criar” pessoas mais críticas, mais observadoras e capazes de fazerem escolhas. Crianças que aprendem a ler, escrever e tambem podem entender e respeitar, podem chorar e pedir, mas tambem aceitar o não e as dificuldades. Sim, somos responsaveis pelos sujeitos que estamos criando e educando, preocupados não só com o aprendizado da escola de letras, de formas, de geometria, como também das emoções e aptidões para viver em sociedade!

Brincar muito, correr muito, conviver com amigos, descobrir lugares, ter contato e possibilidades de explorar novidades, fazer descobertas. A fantasia, a criatividade, espontaneidade das crianças, são caixinhas de reserva valiosas para a vida.

São materiais de experimento: A massinha de modelar, a caixa de papelão, a boneca, a bicicleta, a areia, o livro, a folha da arvore … infinitas possibilidades!!

Brincar de boneca ou de carrinho, de bola ou de peao, pular corda ou amarelinha com riscos feitos no chão;

Ver o desenho que gosta e brigar pela televisão, so mais um pouquinho, o que custa esse tempo bom!

Ir para a escola emburrada e chegar e esquecer de tudo, faz parte desse tempo de criança. Aprender a ler, escrever, desenhar e se aborrecer, todo mundo vai crescer!

Só nao podemos deixar passar em branco sem memórias desse tempão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *