Comparações e competições de Mãe

É interessante como o serumaninho desde cedo quer alguma coisa e já fica de olho no que o outro tem…

Nos jogos, é certo que haverá um que vence e um que perde, o que deveríamos marcar é que todos ganham – o prazer de ter jogado, de ter se divertido. Se assim se permitir curtir e se divertir em participar!

Na vida sempre haverá o que chega em primeiro lugar e as outras colocações… vestibulares, seleções de empresa e outros;

É fato que somos competitivos e precisamos aprender a lidar com esse jogo desde cedo. Não é fácil perder… mas faz parte!

Temos ou assumimos posturas narcísicas de querer sempre que o nosso seja o melhor, o mais bonito, o mais curtido e elogiado…

Quando crianças as vezes ate achamos engraçadinho, até rimos… eles crescem…

O tempo passa e a necessidade de competir e ou comparar continua … As modalidades se renovam, os objetivos se revestem de ganhos práticos da vida… parece estar na veia …

… “eu passei no vestibular em primeiro lugar”… “eu fui selecionado em um grupo de quinze pessoas”… eu… eu… eu…

“e narciso acha feio o que não é espelho” …

Na maternidade também há competições e comparações, as vezes veladas, as vezes sutis e as vezes escancaradas, porque os egos precisam de algo para insuflar e ser …

Meu filho faz isso, aquilo e aquilo outro… Meu filho é assim é assado…

Enquanto isso … precisamos de aldeia, precisamos de apoio, de rede, de uma mão que lava a outra e as duas que juntas lavam o rosto cansado…

As competições fazem parte, não podemos negar!

Podemos e devemos fortalecer os vínculos, podemos e devemos reconhecer e destacar as habilidades e não só exaltar o vencedor.

Uma criança que não chega em primeiro lugar na corrida de saco pode ser a primeira a terminar a leitura ou fazer um ótimo desenho, e mesmo que não seja a primeira, podemos apontar a beleza em seu fazer, seu empenho e capricho.

Quando entendemos que somos modelos, exemplo e que eles nos seguem e imitam, o peso fica grande, e já estamos vivendo, não tem ensaio.

A mudança que queremos ver depende de nós!

11 respostas para “Comparações e competições de Mãe”

  1. Oi Sil, tudo bem? Que beleza de post!! Dois pontos interessantes que você tocou: O narcisismo desenfreado: eu eu eu…
    Quase não conseguimos conversar sem nos colocarmos como o centro de tudo… Na maternidade também acontece isso e muito…

    Não sei se ja reparou (ouvi isso outro dia), que quando alguém nos fala por exemplo, “estou tão cansado hoje” , ao invés de procurar saber pq e dar uma ajuda ja vamos logo no Eu “nossa, você tem que ver como EU trabalhei hoje, estou cansada demais tb”. Ou seja, não conseguimos um minuto deixar o Eu de lado…

    Outra coisa foi sobre a criança não ter aptidão pra alguma coisa mas ter pra outra… Temos que prestar atenção nessas coisas, valorizar suas habilidades, assim como a habilidades de outras crianças, outras mães, outras famílias…

    Otimo texto. Muito obrigada pela participação. Mês que vem tem “Solidão na Maternidade” A abordagem está nos nossos blogs..

    Te espero por la também!

    Beijos

    Tê e Maria ♥

    1. Ai Te que bom ver sua visita e que gostou da participação!
      Se não pararmos para prestar atenção o eu toma conta de tudo não é e ai não conseguimos ouvir o outro… só queremos falar, falar de nós.
      E assim, não veremos nem as crianças também, suas capacidades e dificuldades… aí complica tudo rsrs
      Beijo queridas Te e Maria

  2. Amiga a competição está por toda a parte, mas, como bem disse depende cada uma.de nós, fazer a diferença, apoiarmos uma as outras e acolher.
    E sendo exemplo olha a tamanha responsabilidade!!
    Obrigada por participar conosco.
    Bjs, Cris

    1. Cris, sempre um prazer tê la por aqui!
      Pois é, a competição sempre existe e vamos driblando para não nos fazer mal não é. Podemos fazer a diferença sendo do nosso jeitinho e nos respeitando.
      Beijos

  3. Oi Silvia!
    Fui lá no blog da meninas para ver quem mais estava participando da blogagem coletiva e cá estou.
    É tão simples, é só apurar o olhar para ver que todas as crianças, seres humanos têm qualidades. E aprendi que temos que regar essas sementinhas das boas qualidades. Como você bem colocou, um é excelente no esporte, outro na leitura, na música… Precisamos nos educar e educar nossos pequenos para que apreciem primeiro ao invés de criticar ou invejar. Eu acredito que é possível!
    Um beijo

    1. Olá Ana Paula, bem vinda ao Enfim nos.
      Então, vamos aprendendo tanto com a maternidade não é, e essas trocas nos enriquecem !!!
      Também acredito que seja possível uma maternidade sem comparação e sim com muito aprendizado diário!
      beijos

  4. Podemos e devemos ressaltar o esforço, a dedicação, o empenho, o capricho, falou muito bem.
    Fugir das comparações e competições trás alívio para a alma. Já é do ser humano a competição, mas olhar para os passos de Jesus nos lembra que somos todos iguais, que precisamos uns dos outros…
    Amei vir aqui, ler sua enriquecedora postagem. Linda foto.
    Beijos
    Ju

  5. Adorei tua visita lá e vim te conhecer! Grata surpresa vendo tao linda participação e ótimas colocações bem ponderadas.
    Muito legal! Bjs e tudo de bom, chica

  6. Oi Sil!! Procurei procurei mas não achei esse campo de comentários no post da Solidão na Maternidade.. Então deixo aqui.

    Primeiramente minha querida, peço desculpas por ter vindo só agora… Estava num momento delicado e a cabeça não conseguia se abrir pra grandes leituras… Hoje estou visitando os blogs..

    Silvia, a maternidade é algo transcendental.. São infindos sentimentos que carregamos, que desenvolvemos que nunca imaginaríamos experimentar…
    Você relatando sobre os medos, questionamentos, angústias do inicio e sempre né rs, me lembrei quando tive Maria… uma angústia só de pensar que ela iria crescer rs Mas como você falou, há muita alteração hormonal e isso mexe com o emocional da mamãe..

    Concordo Silvia, a alegria é imensa diante daquele ser tão pequenininho e dependente e nosso instinto, como você disse, mesmo cansadas é não ficar longe deles, mas tudo é novidade e a solidão, os questionamentos, os apertos são inevitáveis em algum momento da maternidade…
    E assim vamos levando, descobrindo, redescobrindo um nova mulher que passa a existir dentro da gente!

    Agradeço de coração pela presença sempre nas nossas blogagens….

    Neste domingo temos a BC com o título “A Cobrança do Segundo filho”

    Esperamos você!

    Um beijo

    Tê e Maria ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *